Sem distinção

Tema pouco recorrente nas paredes por essas ruas fora é o mundo animal. Até se poderá encontrar, aqui e ali, uma ou outra referência aos animais enquanto grupo, sobretudo quando falamos da relação entre seres humanos e animais – de repente, ocorre-me que a tourada possa ser uma temática possível, mas pouco mais. A improbabilidade será ainda maior quando se trata de certos animais em particular. Improvável, mas não impossível. Aqui, em forma de memória histórica e de homenagem a um célebre cão irlandês – de seu nome Master McGrath -, que se tornou conhecido pelas vitórias em corridas de cães durante as décadas de 60 e 70… do Séc.XIX, com direito até a estátua. A título de curiosidade, esta fotografia foi tirada numa zona onde também são evocados heróis irlandeses, sobretudo da música e do desporto, aqui sem lugar a distinção entre pessoas e canídeos.

Anúncios

Os muros e a televisão

Paragem de quase um mês, em virtude de um período de férias. No regresso, começam também as emissões da Casa dos Segredos, com uma amostra social de critério duvidoso e a sábia batuta brejeira de Teresa Guilherme. O que tem isto a ver com pinturas de ruas? Talvez o facto de haver uma espécie de quadrado amoroso, envolvendo um D. Juan da construção civil e três moças, entre atual e ex-namoradas, sendo que o rótulo parecia difícil de atribuir. Uma originalidade televisiva, que serve de mote a esta frase apanhada nas ruas do Porto. Quem a escreveu certamente que teria um intuito bem mais poético do que o contexto de um reality-show, mas o contexto não é totalmente desajustado.